Profissional T: por que é uma boa opção para quem tem múltiplos interesses?
10 fevereiro 2021 - Valú Schneider

É comum, no Linkedin, portais de empreendedorismo, redes sociais e profissionais do mercado ou mesmo blogs corporativos, ser incentivado a se especializar. E, antes de mais nada preciso dizer, esse texto também é a favor de se especializar. Mas, será que é preciso escolher uma habilidade e então focar apenas nela? O conceito de profissional T prova que não.

Antes de tudo, o que significa ser um profissional T?

O também chamado profissional T-shaped tem ganhado espaço no mercado. O nome já dá uma ideia de suas habilidades: multidisciplinares, mas com aprofundamento em pelo menos uma das áreas de atuação. 

Imagine um T. Nesse caso, o eixo horizontal representa as múltiplas habilidades e conhecimentos do profissional (as generalistas), enquanto o eixo vertical é aquele conhecimento que ele domina mais a fundo (sua especialidade). 

Um bom exemplo é o profissional de Marketing que é especialista em mídia paga (Google Ads etc.), mas também conhece de estratégia de conteúdo, SEO, web analytics, social media, e-mail marketing, design e, quem sabe, programação.

No dia a dia, ele conseguirá entender melhor a importância da sua tarefa e como ela deve ser feita para atingir o objetivo da equipe como um todo.

No dia a dia, sua visão global chama a atenção

Claro que ser um profissional T não significa (e nem deveria significar) que ele acumulará diversas funções dentro de uma empresa. Na verdade, o que o torna desejado é ter uma visão global da área, entendendo melhor todo o processo. Ou seja, ao receber ou passar uma demanda.

Seu conhecimento permitirá melhor alinhamento com outros setores, além de ter maior entendimento sobre o que é possível a partir daquela tarefa, como ela passará pelas próximas etapas do processo e, até, qual o resultado esperado no fim do mês.

Um motivo para ele ser desejado tem tudo a ver com os outros colegas da empresa e a empresa em si: o T-shaped tem maior capacidade de colaborar com equipes e trabalhos, podendo sugerir melhorias e até colocar a mão na massa para ajudar quando preciso.

Mas não podemos cobrar perfeição

Um erro que pode colocar à prova a carreira do profissional em uma empresa é esperar que ele saiba tudo e faça absolutamente todas as etapas de um processo. A sua visão global permite entender melhor as necessidades e responsabilidades, mas não significa que ele deva ou saiba realizar todos os processos.

Cabe às empresas, além do próprio profissional, fomentar esse desenvolvimento multidisciplinar, oferecendo treinamentos ou a troca de conhecimentos entre colegas, conquistando, assim, uma equipe que tem facilidade de se integrar a diferentes projetos e grupos (uma grande vantagem nos dias atuais, certo?).

Saem as hard skills e entram as soft skills

Aquelas habilidades que são difíceis de mensurar, mas que são cada vez mais desejadas por gestores, também devem ser muito valorizadas por aqueles que desejam se superar profissionalmente.

E isso serve tanto para especialistas, como generalistas ou o profissional T: desenvolver as suas soft skills, como ser capaz de se relacionar de maneira clara e respeitosa com os demais, ter criatividade para sugerir soluções, ser organizado e se comunicar de forma clara e não violenta com os colegas se mostra como um diferencial no mercado de trabalho.

Que tipo de profissional você é? E como deseja ser?

Se tornar um profissional T é uma boa oportunidade para aqueles que não se enxergam como especialistas em apenas uma área e encaram o aprendizado generalista de outros processos como uma oportunidade para se tornar cada vez melhor. Se for o seu caso, busque conteúdos que tenham relação com o que você faz e tente sempre aprender. Pode ser sua chance de criar um novo jeito de trabalhar e ser feliz no que faz.

Leia também: Decisões em grupo. Por que é tão complexo? 

Gostou do conteúdo? Compartilhe com a sua rede!

Valú Schneider

Sou a Valú, mineira, caçula. Me formei em Comunicação Social – Jornalismo pela UFMG em 2011 e, desde 2015, sou fã do trabalho remoto. Trabalho com jornalismo, tradução e marketing, mas não é só. Gosto de ler, escrever, viajar, cozinhar, assistir séries e aprender sobre assuntos variados. Nunca gostei da ideia de escolher uma coisa só. Acredito que a rede de contatos e o aprendizado de diferentes habilidades expandem nossas possibilidades e tornam as experiências melhores para todos.