O que não sabemos sobre relacionamento abusivo vai acabar nos matando
24 julho 2019 - belohorizonte

É quase impossível uma mulher não sofrer algum tipo de violência em seus relacionamentos afetivos.
Os dados são alarmantes e preocupantes. A cada 3 mulheres, uma será vítima de algum abuso ao longo da vida, e uma grande parcela por seu parceiro ou ex-parceiro. Sou psicóloga há uma década, e na prática clínica algo nunca deixou de me surpreender: a dor das pessoas que sofrem por estarem ou terem passado por um relacionamento abusivo.

DESAFIOS

A formação em psicologia no Brasil não nos prepara para esse tipo de demanda, existe um déficit acadêmico.  Temos então o primeiro desafio social para com essas mulheres.

O segundo desafio em lidar com a temática do abuso e violência nos relacionamentos é a quebra de estereótipos sobre o fenômeno. No senso comum as relações abusivas seriam um problema exclusivo de determinados grupos sociais. Mas, o que hoje sabemos com clareza é que relações abusivas ocorrem com pessoas de todas as classes sociais e raças. Obviamente, não podemos esquecer que todos os problemas que envolvem relacionamentos abusivos terão maior impacto em populações vulneráveis que já sofrem com outros problemas sociais. Outros estereótipos são: achar que o problema é individual e por conseguinte não intervir socialmente, não acolher e julgar essa mulher que está no abuso. Crescemos com o ditado “em briga de marido e mulher não se mete a colher”.

O terceiro desafio é uma mudança estrutural social onde multiplicamos a ideia do amor romântico (enquanto casal, agora somos um só e todas as consequências dessa afirmação) e da desigualdade de gênero que preparam um solo fértil para os relacionamentos existirem.

MANEJANDO RELACIONAMENTOS NA CLÍNICA TERAPÊUTICA

Considerando todo esse triste cenário, tomei a decisão de formalizar algumas estratégias que tirassem o problema do silêncio e dos mitos que tanto assolam o tema. A Não Era Amor propõe lidar com esse enorme desafio. Seguindo a premissa de que informação é liberdade, acreditamos que quanto mais falarmos sobre o tema, maior será a transformação social em prol do fim de uma cultura que alimenta relações abusivas.

Além da informação, acreditamos que a terapia individual e em grupo é um instrumento poderoso de auxílio para pessoas que estão ou saíram de um relacionamento abusivo. E, mais do que isso, uma ferramenta de propagação da consciência do problema.

Nesse sábado acontecerá no Impact Hub o primeiro Curso da Metodologia Não Era amor para atendimentos de mulheres que estão ou saíram de relacionamentos abusivos. Ele acontece para terapeutas, estudantes de psicologia, psiquiatras e interessados no tema e você pode se inscrever aqui.

Pollyanna Abreu

Fundadora e CPO da Não Era amor

Compartilhar: