Como líderes de impacto transformam uma organização com a cultura empreendedora.

Inovação, competitividade e propósito são termos já comuns nas pautas estratégicas de qualquer empresa que pretende se manter em expansão e atrair e reter os melhores talentos. Esses temas vêm saindo do confinamento de setores específicos, se espalhando em todas as áreas e ganhando relevância a todos os talentos das empresas inovadoras.

Liberdade, flexibilidade, simplicidade, testes, erros e riscos saíram da lista proibida das organizações para se tornar requisitos profissionais de um perfil empreendedor. Porém, atrair e reter profissionais que possuem esse perfil, enquanto é aproveitado e desenvolvido o seu potencial de inovação, é um dos grandes desafios empresariais. É preciso fornecer de modo constante um ambiente propício para esse crescimento.

Neste contexto, o empreendedorismo deixa de ser visto com a exclusividade de um estilo de vida ou uma jornada pessoal de um novo empresário, para vislumbrar um comportamento e uma abordagem à geração de valor também no âmbito organizacional, daí: Intraempreendedorismo.

Com certa frequência, é possível perceber que a alta gestão das empresas já está ciente e desperta sobre a necessidade urgente de transformar a cultura organizacional da “Era do Comando e Controle” para a “Era da Inovação” e sobre a necessidade de repensar a missão da organização no mundo. É também frequente, encontrarmos nos níveis executivos/operacionais dessas organizações, jovens talentos sedentos por entregar mais valor ao mundo com suas capacidades (geralmente sub-aproveitadas) e por ter espaço dentro das organizações para criar e explorar melhores caminhos.

Essa “transformação organizacional” para uma cultura de Intraempreendedorismo não é fácil. Os desafios perpassam, por exemplo, em uma nova abordagem de gestão, capaz de provocar o comportamento empreendedor naqueles que já se encontram institucionalmente engessados e, ao mesmo tempo, despertar e canalizar a energia empreendedora daqueles que a tiveram represada pela estrutura e cultura instalada.

Liberdade estruturada, comportamento empreendedor, estruturas flexíveis, talentos e lideranças de impacto são ingredientes fundamentais que devem justamente quebrar a burocracia e o engessamento.

As lideranças devem atuar como agentes de propagação e de canalização da energia empreendedora. São eles os responsáveis pela transformação do espaço e das relações organizacionais em um ambiente desafiador, com propósito. Devem aprender a utilizar seus profissionais e seus recursos de maneira estratégica, guiando sem aprisionar, possibilitando uma produção colaborativa, fazendo com que a Cultura Intraempreendedora acelere as inovações ao desenvolver empreendedores internos, que irão crescer juntos com a empresa.

O Impact Hub desenvolveu um programa de transformação gerencial com foco em Intraempreendedorismo, que abordará as tendências para o futuro das organizações de trabalho, a essência da cultura empreendedora, a importância das habilidades gerenciais e equipes colaborativas, com o objetivo de ativar o Intraempreendedorismo e incentivar a cultura da inovação. Se você tem interesse sobre o assunto e deseja levar isso para a sua empresa, participe do nosso evento de lançamento no dia 6 de dezembro.