Khacyos Rezende é membro do Impact Hub Belo Horizonte e presidente do Instituto Vírus do Bem, que promoverá, neste domingo, dia 26/04, a EcoArte – Boutique da Arte e Ecotransformados. O evento beneficente reunirá diversos expositores nas áreas de artesanato, roupa, artes plásticas, alimentação e ainda contará com atrações especiais como a cantora Janne Paula, a bailarina Renata Miranda, o DJ Bruno Guehard, o Flags Performance Rildo Lopez e o projeto de fotografia Imaginário Coletivo.

Khacyos Rezende publicou no jornal Estado de Minas um artigo sobre trabalho voluntário, que fala da sua importância e também conta um pouquinho da história do Instituto Vírus do Bem. Confira abaixo o artigo na íntegra.

E não deixe de comparecer à EcoArte. Saiba mais sobre o evento e como adquirir seu ingresso , clicando aqui.

Trabalho Voluntário

Por Khacyos Rezende

O voluntariado é um trabalho especial por propiciar às pessoas uma oportunidade de se relacionarem com seu íntimo e perceber que têm tempo para amar o próximo e, principalmente, a si mesmas. A ação social permite descobrir que o cliente, ou seja, o foco final das doações vai além de instituições e de pessoas carentes, animais, plantas ou do planeta. O próprio voluntário é o grande beneficiado, afinal, é importante pensar que, mesmo sem nossa existência, o planeta continuará existindo. Entretanto, sem o planeta, nós não sobrevivemos. Ajudar e levar atenção a quem precisa é proporcionar as mesmas coisas a nós mesmos.

O voluntariado é mais que uma troca por envolver amor, dedicação e vontade de ajudar. A atuação não tem cobrança e é exatamente aí que sobra tempo para as pessoas entenderem que a grande vantagem é ajudar a ela mesma, pois realiza a sua própria vontade e garante um aperfeiçoamento na personalidade – também, chamado de “reforma-íntima”, porque gera autoconhecimento. É possível doar o intangível: si mesmo, o intocável, o sublime, porque – pense bem – presentear-se só com coisas materiais, somente, é enganar-se.

O Amor vai além do auxílio ao próximo. É, primeiramente, ter capacidade de ajudar a você mesmo ao auxiliar o todo. Ser voluntário é trabalhar para se autorremunerar com carinho. Quer maior realização que essa? Então, use seu tempo para uma reforma interna, se impregnando de bons sentimentos.

O Instituto Vírus do Bem é um exemplo de como a corrente do bem é extremamente contagiante. O projeto mineiro começou em 2011 com a demanda de uma pessoa que teve seu lar incendiado. Para ajudá-la, foi promovida uma campanha nas redes sociais, visando arrecadar doações e o resultado foi um sucesso! A Campanha recolheu tantos donativos que, além de atendê-la, ainda foi assistir outras vítimas de enchentes, vendavais e desmoronamentos. Hoje, o instituto já atende mais de 20 instituições. Qualquer produto recebido é transformado em doação, sendo um importante elo de ligação entre cidadãos e instituições.

Ser voluntário é um exercício de disciplina, dedicação e desprendimento. É valorizar o tempo. Os artigos materiais, os assistidos, os vulneráveis, os carentes e as instituições são apenas alguns dos recursos. São como a massa de modelar, é preciso criar a escultura e aprimorar esse trabalho de amor. As horas de relógio não são nada. O que é mensurável fica a cargo da ciência e o imensurável, por conta do coração. Quem se modifica é a própria pessoa, não são os cronômetros. O pagamento também é feito pela própria pessoa ao ganhar autossatisfação e amor próprio.

Os projetos beneficentes garantem oportunidade para aprendizado e doação, principalmente, de tempo. O tempo está escasso e se não existe tempo para o que demanda tempo, visando fazer o bem, então, a pessoa terá tempo para se autoconhecer. Afinal, são nesses momentos que conseguem se descobrir e se aproximar de si mesmo.

juneacasagrande